Depressão em homens e testosterona existe relação?

Quem acha que a testosterona atua apenas sobre a libido e a massa muscular está muito enganado. Além dos benefícios comprovados na proteção cardíaca e cerebral, agora é sua contribuição sobre o humor que ganhou destaque em estudos recentes.
Novas evidências apontam que a terapia de reposição de testosterona, a chamada TRT, traz benefícios sobre os sintomas depressivos entre homens com baixos níveis de testosterona.

De forma contrária, evidências apontam que a terapia de privação androgênica (TDA), utilizada para baixar os níveis de testosterona durante o tratamento do câncer de próstata, pode contribuir para o aparecimento de depressão.
Os estudos alertam que os profissionais de saúde devem estar alertas aos sintomas de depressão entre os pacientes submetidos à TDA. E você, já dosou seus níveis de testosterona? Converse com seu médico sobre isso.

Qual o papel do exercício físico no controle do diabetes?

A atividade física, juntamente com a dieta e a terapia farmacológica, representa um dos pilares do tratamento do paciente com diabetes de mellitus, seja ele do tipo 2 ou do tipo 1.

Os benefícios da atividade física incluem:

  • Sua natureza não farmacológica;
  • Seus efeitos benéficos sobre os fatores de risco cardiovasculares e outras compliaçãoes associados ao diabetes;
  • Seu baixo custo.

Inúmeras evidências sugerem que, tanto o a associação do treinamento aeróbico, quanto o treinamento resistido (de força), constituem uma intervenção segura, viável e eficaz no tratamento do diabetes. Eles exercem efeitos facilitadores da ação da insulina na captação de glicoses pelas células. Seria como dar uma “insulina natural“ para o paciente.

Mesmo o treinamento de alta intensidade pode ser prescrito para os pacientes portadores de doenças cardiovasculares ou osteoartrite, trazendo a melhora da saúde, da qualidade de vida e a diminuição da mortalidade para esses pacientes.

Todo paciente diabético deve passar por criteriosa avaliação médica antes de iniciar qualquer prática de atividade física, seja ela de força ou aeróbica e existem protocolos de treino específicos para essa população.

Programe seu sono e tenha mais saúde

O tempo de sono adequado varia de acordo com a idade do indivíduo.
Crianças e adolescentes precisam dormir, no mínimo, 8 horas por dia, já os adultos precisam de pelo menos sete horas.

Sabendo disso, escolha um horário para dormir baseado no que você acorda e quantas horas você precisa de sono. Um pouco antes desse horário, crie um ambiente adequado, desacelere o corpo e a mente, tome um banho em temperatura ambiente, promovendo relaxamento e diminuição da temperatura corporal. Evite álcool e outros alimentos que tragam energia e que façam despertar: chá preto, chá mate, café, guaraná, açaí.

Evite comer muito próximo ao horário de dormir, o recomendável são duas horas antes, caso contrário, o corpo não descansará como deve. Evite a prática de exercícios físicos próximo a este horário, pois são estimulantes.

Saber usar corretamente os aparelhos eletrônicos para o seu momento de sono também é essencial, eles podem tirar sua atenção para o que você realmente precisa fazer naquele momento: dormir.

Apague as luzes, lembre-se de fechar bem a cortina e, principalmente: desligue a televisão, o computador, e afaste-se do celular (coloque-o em modo silencioso ou desligue). A presença de luz na hora de dormir prejudica os ciclos biológicos e sua produção hormonal, em especial de cortisol e melatonina dando uma sensação de cansaço e falta de energia no dia seguinte.

Criando uma rotina de sono, mesmo que numa eventualidade você não consiga estar na cama neste momento, o corpo sentirá a diferença da sua mudança de hábito, trazendo mais saúde e um dia proveitoso, além de evitar as doenças causadas pelo sono desregulado.

Quem não dorme bem não tem saúde!

O ser humano pode passar cerca de 1/3 da vida dormindo e existem bons motivos pra isso; A qualidade do sono impacta diretamente em nossa qualidade de vida e na nossa saúde;

É dormindo que seu corpo se reestabelece, suas células se regeneram, você fixa o aprendizado do dia e descarta o desnecessário é dormindo principalmente onde ocorre a produção de inúmeros hormônios essenciais para a longevidade.

A melatonina, conhecida como o hormônio do sono, começa sua produção à noite e tem seu pico da produção durante a madrugada,por volta das 2h da manhã. A melatonina regula a produção de hormônios como o GH, o cortisol, a grelina, a insulina e a testosterona.

Dessa forma, é seguindo essa fisiologia que devemos nos basear para irmos pra cama dormir. Cada hora de sono perdida aumenta seu risco de doenças crônicas, obesidade, hipertensão e diabetes.
Além disso, dormir mais no dia seguinte não compensa a noite perdida de hoje.

Mudanças no estilo de vida como horários fixos para dormir e acordar, prática de exercícios físicos em horários adequados, alimentação equilibrada, se expor mais a luz solar, não ter aparelhos luminosos no quarto à noite, evitar cafeína ao final da tarde são boas dicas para quem sofre de insônia.
Se achar que está com problemas do sono converse com seu médico

Sarcopenia versus comprometimento cognitivo

A sarcopenia, termo que designa a perda de músculo relacionada à idade e outras doenças crônicas, era conhecida por prejudicar a força e a performance muscular dos indivíduos afetados, reduzindo a sua capacidade de realizar atividades diárias, aumentar o risco de quedas e diminuir a sua autonomia.

Sua prevalência varia de 0,9% a 85,4% na população geriátrica com base em diferentes estudos médicos. Além do envelhecimento, as possíveis causas da sarcopenia incluem nutrição inadequada, atrofia por desuso, depleção hormonal e inflamação crônica.

A sarcopenia, além de classicamente estar associada a piores indicadores de saúde como aumento da mortalidade, maior tempo de internação e maior necessidade de cuidados na recuperação após a alta hospitalar, e a perda de autonomia geral do indivíduo, vem também sendo relacionada a comorbidades como diabetes mellitus, depressão e problemas cardiovasculares.

🤔 Mas qual a sua correlação com problemas cognitivos?
😯 Bem, sabemos que o comprometimento cognitivo dos indivíduos idosos é um importante fator prognóstico para incapacidade e dependência. Declínios na função cognitiva ocorrem como um processo neurodegenerativo de envelhecimento e pode fazer a transição para a forma mais grave, a demência.

O subtipo mais comum de demência é a doença de Alzheimer, seguida pela demência vascular, demência com corpos de Lewy e demência frontotemporal. A prevalência relatada de demência é de 7,1% e16,3% entre pessoas > 65 anos de idade, e são causas significativas de gastos com a saúde. Os fatores de risco para o comprometimento cognitivo incluem: desnutrição, estilo de vida sedentário, falta de hormônios anabólicos e reações inflamatórias persistentes, todas causas potenciais também de sarcopenia.

Moral da história: cuidar e prevenir a sarcopenia é também tratar e prevenir déficits cognitivos futuros.

E você, já fez algum teste para saber se você é sarcopênico?
Procure seu médico e converse sobre o tema.

Fonte: CHANG, Ke-Vin; HSU, Tsai-Hsuan; WU, Wei-Ting; HUANG, Kuo-Chin; HAN, Der-Sheng. Association Between Sarcopenia and Cognitive Impairment: A Systematic Review and Meta-Analysis. e The Society for Post-Acute and Long-Term Care Medicine, 2016.

Quer prevenir doenças do coração? Faça flexões de braços!

A doença cardiovascular (DCV) continua sendo a principal causa de mortalidade no mundo. Evidências robustas indicam a associação do aumento da aptidão física com um menor risco de eventos cardiovasculares e aumento da longevidade.

Levantamento feito no período de 2008 a 2018, correlacionou o número de flexões de braço, o famoso “marinheiro”, realizado por homens adultos ativos, e o diagnóstico de doença arterial coronariana e a ocorrência de outros eventos importantes de DCV.

Os resultados sugerem que uma maior capacidade de flexão basal está associada a menor incidência desses eventos. Logo, realizar exercícios físicos regularmente, além de melhorar sua a aptidão física diminui o risco de doenças do coração.

📌Lembre-se: antes de realizar atividade física, consulte seu médico.

Fonte: YANG, Justin; CHRISTOPHI, Costas; FARIOLI, Andrea; BAUR, Dorothee; MOFFATT, Steven; ZOLLINGER, Terrell; KALES, Stefanos. Association Between Push-up Exercise Capacity and Future Cardiovascular Events Among Active Adult Men. JAMA Network Open. 2019.

Como aumentar o metabolismo de forma saudável?

💪 Manter uma composição corporal saudável, com níveis ideais de massa muscular e gordura corporal, requer disciplina e mudança de hábitos.
💪 Manter um metabolismo ativo significa fornecer ao corpo a capacidade de “queimar” calorias de forma eficiente bem como manter sua capacidade de gerar músculos;
👇 Abaixo algumas dicas para manter seu metabolismo saudável:
👉 Dormir 7-8h de sono por noite no intervalo entre 21h e 6h da manhã;
👉Treinar em alta intensidade seja nos exercícios aeróbicos ou de força;
👉 Ingerir pelo menos 30ml/kg de peso ao dia de água;
👉 Ingerir alimentos com capacidade termogênica (pimenta, gengibre, canela, café, etc);
👉 Utilizar de maneiras diferentes as inúmeras variáveis de treinamento;
👉 Treinar regularmente pelo menos 150min por semana;
👉 Manejo de stress, equilibrando seus níveis de cortisol;
👉 Consultar regularmente seu médico para avaliar seus níveis hormonais;
👉 Manter dieta equilibrada e variada;
Jejuar de tempos em tempos;

Lembre-se, para uma melhor saúde consulte regularmente seu médico!

CrossFit endurace

O CrossFit é a modalidade esportiva que mais cresce no mundo fitness.
O treinamento de endurance é uma das modalidades desse esporte.
E endurance tem por objetivo o melhorar a aptidão e a resistência cardiovascular.

Ele consiste em mesclar exercícios aeróbicos, como a corrida, com exercícios de alta potência muscular, elevando a frequência cardíaca que vai gerar a adaptação e a os ganhos de desempenho a médio e longo prazo.

Os exercícios de endurance dessa forma contribuem para a melhoria na coordenação muscular, da força de explosão muscular e da velocidade.

Prevenir é melhor que remediar

Diante do aumento assustador das doenças crônico-degenerativas, como o diabetes, o câncer, o infarto, o acidente vascular cerebral, as demências e as osteoartrites, trouxe aos médicos a necessidade de falar e praticar de forma mais enfática a PREVENÇÃO!.

Devemos lembrar que essas doenças que se desenvolvem ao longo de anos sinalizam com sintomas sutis antes do seu aparecimento. Sintomas como:

👉 Fadiga extrema e cansaço;
👉 Dificuldade para acordar pela manhã;
👉 Obesidade abdominal, a famosa barriguinha;
👉 Insônia e roncos;
👉 Falta de vitalidade e humor deprimido;
👉 Má-digestão e outros sintomas digestivos…

😉 Enfim, observe se no seu dia-a-dia você tem alguns desses sintomas e converse com seu médico. E lembre-se que a mudança do estilo de vida é o tratamento e a prevenção.

Propriedades da Arginina

A arginina (ARG) é um aminoácido alifático dibásico. Devido à sua estrutura, a ARG participa de numerosas vias metabólicas como: produção do óxido nítrico (potente vasodilatador e sinalizador molecular), da glutamina, da prolina (envolvida na cicatrização de feridas e produção de colágeno), poliaminas (participantes da estabilização do DNA, regulação gênica, imunidade e trofismo intestinal), creatina (energia muscular).
Entre essas inúmeras propriedades, como a capacidade de gerar creatina, o aumento da secreção de GH (o hormônio anabólico do crescimento) e promover vasodilatação, justificam seu emprego no uso atlético.

A arginina, como nenhum outro aminoácido, favorece a perfusão sanguínea muscular, tendo dois “efeitos dominó”: um aumento de disponibilidade de nutrientes para os músculos e maior liberação de metabólitos, como lactato e amônia, que estão relacionados à fadiga muscular, especialmente em exercícios resistidos.

Os dados clínicos que avaliam o efeito da ARG na perfusão muscular e secreção hormonal apresentam pouca evidência para apoiar um efeito positivo da arginina.
Lembrando que seu uso é contraindicado nos casos de herpes simples recorrente.

Nunca use suplementos sem se consultar com seu médico ou nutricionista.

Fonte: GORON, Arthur; MOINARD, Christophe. Amino acids and sport: a true love story?. Springer Nature, 2018.